quinta-feira, 15 de maio de 2014

Olhos de esmeralda


Sobre uma pontada do coração
a vida ia se exaurindo...
até se chegar ao estado da plena solidão.

Ah! se esses olhos nunca mais fossem vistos...
Ah! se essa voz nunca mais fosse proferida...
como ficaria minha minha sorte, minha vida?
dos segundos eternos que minh'alma pena
lançando o alto voo do sentimento em ida
sobre o vislumbre procrastinado para crescer mais
em mim os teus olhos de esmeralda, virgem serena.

E este medo de perder-te, amada amiga;
Este medo do vulto que caleja o coração.
Medo que me toma e só cessa, se diga,
quando contemplo a lua cheia da tua aparição.

Ah! este olhar que acalma...
Olhos que abrasam a alma
em sentimento doce e terno.
Não saiam de mim, se diga,
pura, modesta, amada amiga
o espelho que reflete tua alma.


(Olavo Barreto)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Que o teu sim seja sim; e o teu não seja não. (Mt 5,35)